9 coisas que você precisa saber sobre “As Crônicas de Nárnia” | Joe Carter

201109-omag-books-narnia-hires

O final de março marcou sessenta anos desde a conclusão da obra O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa de C. S. Lewis, primeiro livro da série As Crônicas de Nárnia. Aqui estão nove coisas que você precisa saber a respeito das amadas histórias de Lewis:

1. O nome “Nárnia” é uma palavra latina que se refere a uma cidade na Itália Antiga chamada “Narni”.

2. Lewis pensou em escrever sobre Nárnia pela primeira vez em 1939, mas somente concluiu o primeiro livro – O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa – uma década depois, em 1949. Sobre a ideia do livro, Lewis disse:

O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa começou com a figura de um Fauno carregando um guarda-chuva e alguns pacotes em uma floresta nevosa. Esta imagem tem estado em minha mente desde que eu tinha uns dezesseis anos de idade. Um dia então, quando estava com quarenta anos, disse a mim mesmo: ‘Vamos tentar fazer uma história a respeito disto’.”

3. Lewis acreditava que a série deveria ser lida na ordem cronológica dos eventos cobertos nos livros. A maioria dos leitores, críticos e acadêmicos, no entanto, acreditam que a série deve ser lida na ordem da publicação dos livros: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa (1950), Príncipe Caspian (1951), A Viagem do Peregrino da Alvorada (1952), A Cadeira de Prata (1953), O Cavalo e seu Menino (1954), O Sobrinho do Mago (1955), A Última Batalha (1956).

4. O estudioso Michael Ward propôs uma teoria de que Lewis deliberadamente construiu as Crônicas de Nárnia a partir do conceito imaginário dos sete céus. De acordo com astrônomos, antes de Copérnico no século XVI, os sete céus continham os sete planetas que giravam em volta da Terra e exerciam influências sobre as pessoas e eventos e até mesmo sobre os metais na crosta terrestre. Em seu livro, Ward afirma que “Em O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa, [as crianças] se tornam monarcas com o soberano Júpiter; em o Príncipe Caspian, elas endurecem com o forte Marte; em A Viagem do Peregrino da Alvorada, elas bebem luz com o investigativo Sol; em A Cadeira de Prata, elas aprendem a obediência com o subordinado Luna; em O Cavalo e seu Menino, elas vêm a amar poesia com o eloquente Mercúrio; em O sobrinho do Mago, elas ganham frutos da vida da fértil Vênus; em A Última Batalha, elas sofrem e morrem com o assustador Saturno”.

Leia também  O problema do mal | Gregory Koukl

5. “Aslam”, nome do personagem principal das Crônicas de Nárnia, significa “leão” em turco. Embora Aslam seja o único personagem a aparecer nos sete livros, ele nunca apareceu no primeiro rascunho de O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa, muito embora o livro tenha sido publicado um ano depois.

6. Brejeiro, que aparece como personagem principal em A Cadeira de Prata, foi baseado em Fred Paxford, que trabalhou como um “faz-tudo”, como jardineiro e cozinheiro eventual por mais de 30 anos na casa de Lewis (em the Kilns) em Oxford. Douglas Gresham descreveu-o como “um homem simples e comum que poderia ser chamado de um eterno pessimista animado”. Se alguém dissesse “bom dia” a Paxford, ele poderia responder “Ah, parece que vai chover antes do almoço, mas, se isto não acontecer, vai nevar ou cair granizo”.

7. A série de livros levou mais de oito anos para ser completada por Lewis, embora ele tenha dedicado apenas três meses para escrever o primeiro livro, O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa.

8. Embora existam muitos mapas do universo narniano disponíveis, o mapa considerado como versão “oficial” foi publicado em 1972 pela ilustradora Pauline Baynes.

narnia

(Illustration copyright © C. S. Lewis Pte. Ltd.)

9. Em uma carta a uma classe de quinta série, Lewis explicou que Aslam não deve simplesmente “representar” Jesus: “Vamos supor que houvesse uma terra como Nárnia e que o Filho de Deus, do mesmo modo como se tornou Homem em nosso mundo, se tornasse um Leão lá. Agora imagine o que aconteceria”.

Traduzido por Jonathan Silveira

Texto original aqui.

Joe Carter é um dos editores do ministério The Gospel Coalition e co-autor do livro "How to Argue Like Jesus: Learning Persuasion from History’s Greatest Communicator".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *