As Aventuras de PI – Acreditando em três religiões | Fábio Mendes

O filme “As aventuras de PI” é repleto de efeitos especiais incríveis. É incrível quando os efeitos são tão bons que fazem você imaginar se são ou não são reais. Efeitos especiais são mais fáceis de criar quando se trata de ficção científica; eles retratam personagens que não são reais e, assim, as pessoas não têm uma base para avaliar se uma personagem está sendo retratada como deveria. Neste filme é diferente. Uma vez que ele apresenta animais em um barco, faz você pensar quando se trata de animais de verdade e quando se trata de efeitos especiais. É definitivamente um feito impressionante.

Entretanto, minha admiração foi seguida por uma frustração a respeito de certos aspectos da trama. Eu havia lido o livro antes de o filme ser lançado e posso confirmar que o filme é uma reprodução fiel do livro. Minha frustração foi com a mensagem do filme de que uma pessoa pode ser cristã, muçulmana e hinduísta ao mesmo tempo.

No filme, PI é um garoto que, devido a várias circunstâncias em sua vida, é exposto às três religiões e decide abraçar todas as três – cristianismo, islamismo e hinduísmo. Seu hinduísmo surgiu de sua herança indiana, seu cristianismo surgiu por causa de uma brincadeira feita em uma igreja e o islamismo surgiu por curiosidade. PI encontra “coisas interessantes” em todas as três religiões e, por esta razão, decide seguir as três. Ele declara no filme não ter visto qualquer razão para não abraçar as três ao mesmo tempo. Ele parece se ater a esta ideia mesmo quando seus pais – mesmo seu pai sendo agnóstico – o desafiam dizendo que ele não pode ter todas as três fés.

Uma mente pós-moderna talvez concorde com a visão de PI, uma vez que, de acordo com o pós-modernismo, todos estão certos “à sua maneira”. Além disso, abraçar todas as três religiões parece soar muito bem se o objetivo é evitar controvérsias religiosas, violência e animosidade. Tudo isso soa muito atraente se fosse realmente possível afirmar todas as três visões religiosas sem comprometer seriamente as doutrinas ensinadas por cada uma delas. Deixe-me mostrar alguns problemas.

Hinduísmo

Sendo uma doutrina politeísta, alguém poderia pensar que, por causa disto, o hinduísmo irá incluir o Deus cristão e o Deus islâmico de maneira harmoniosa. Isso não é verdade. O hinduísmo irá incluir o Deus cristão e islâmico, mas ele não aceita o fato de tais religiões afirmarem ser as únicas verdadeiras. Portanto, não há harmonia aqui.

Leia também  Cosmovisão e esquizofrenia virtual | Luiz Adriano Borges

Islamismo

O islamismo não aceita o cristianismo porque “nada pode ser parceiro de Alá”. Não pode haver outros deuses. Portanto, o islamismo não concilia o hinduísmo. Ele também não admite que Deus possa se tornar homem, como prega o cristianismo. Isso é considerado blasfemo para um muçulmano, pois isso seria associar outros deuses com Alá. O islã considera Jesus um profeta e o cristianismo o considera Filho de Deus.

Cristianismo

O cristianismo não pode conciliar o hinduísmo, uma vez que afirma que há apenas um Deus. Ele pode se conciliar com o islamismo em termos monoteísticos, mas possui diferenças inconciliáveis com o islã no que diz respeito à identidade de Cristo (o Filho de Deus para o cristianismo).

………………………………..

PI, embora entusiasmado com a ideia de ter três religiões no filme, realmente não poderia ter as três fés de maneira consistente. Para ser consistente, ele teria que ter apenas uma – ou comprometer sua consistência e ignorar doutrinas centrais de cada uma das três religiões; porém, ao assim fazer, teria que eliminar doutrinas centrais fundamentais de cada fé, de modo que, tecnicamente, alguém poderia considerar isso como uma nova religião e não três religiões combinadas. Ele teria que remover a ideia do hinduísmo de que outros deuses são possíveis e, ou aceitar Cristo como Deus e alterar a doutrina islâmica, ou remover a divindade de Cristo e, assim, eliminar a doutrina central do cristianismo.

Não se pode ter um quadrado-redondo sem remover a qualidade de “quadrangular” ou de “circularidade” de um deles. Eles são mutuamente exclusivos. Para ser consistente, é necessário abrir mão de algo. O mesmo se aplica às três religiões mundiais. Tudo o que alguém precisa fazer é examinar as doutrinas de cada fé cautelosamente e concluir que isso não é possível.

A mente cauta deve fazer o que uma mente cauta faria: investigar e entender cautelosamente os ensinamentos de cada religião. O propósito de meu website é mostrar que o cristianismo é a única religião que retrata a verdade de maneira correta.

Fábio Mendes mora na Califórnia, EUA. É bacharel em Ciências da Computação pela Universidade Bethel, em Minnesota, e MBA em gerenciamento de tecnologia pela University of Phoenix. Atualmente, exerce a função de Arquiteto Sênior de Sistemas para uma seguradora internacional. Membro da igreja Christ Fellowship, em Miami, dedica-se ao pensamento e à filosofia cristã com ênfase para jovens.

1 Comentário

  1. juliana disse:

    Gostei do site, conteúdo é muito interessante.Vou acompanhar as novidades sempre, gostei muito.
    Beijos da Ju

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *