Autonegação e Cruz | Tiago Cavaco

Diz a palavra em Marcos 8:34—9:1:

“34 Então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, disse-lhes: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. 35 Quem quiser, pois, salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por causa de mim e do evangelho salvá-la-á. 36 Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? 37 Que daria um homem em troca de sua alma? 38 Porque qualquer que, nesta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos.” [Capítulo 9:] 1 Dizia-lhes ainda: “Em verdade vos afirmo que, dos que aqui se encontram, alguns há que, de maneira nenhuma, passarão pela morte até que vejam ter chegado com poder o reino de Deus.””

É surpreendente que mesmo em Cesareia de Filipe, terreno pagão a norte de Israel, Jesus conseguisse juntar uma multidão. E o Mestre aproveita a presença dela para dizer mais acerca das implicações da cruz na vida daqueles que acarinham a possibilidade de o seguir. Vale a pena reparar como está no texto: não é dito que, se alguém vem após Jesus, tem de negar-se a si mesmo, tomar a sua cruz e segui-lo. O que é dito é que, se alguém quer vir após Jesus, tem de negar-se a si mesmo, tomar a sua cruz e segui-lo. Ou seja, o Messias não está a certificar pessoas de que estão a segui-lo, mas a esclarecer que tão-somente o desejo de querer segui-lo tem implicações. O Senhor não está a carimbar passaportes de peregrinos, mas a avaliar a solidez da vontade de quem diz querer viajar com ele. Não é possível ser cristão sem ter testada a própria vontade de ser cristão. A vontade é muito importante e, por isso mesmo, é a primeira a merecer exame.

Em mais um exame ao coração dos que o ouvem, Jesus explica as condições que permitem acompanhá-lo (e “seguir” significava literalmente não caminhar nem atrás nem à frente, mas ao lado, indo na mesma estrada). O caminho passa pela autonegação e cruz. Negar-se a si mesmo quer dizer perder de vista os interesses pessoais. Como é que se ouviria uma mensagem destas? Não esqueçamos que a cruz é um assunto novo na comunicação entre Mestre e discípulos, tendo o Messias acabado de explicar a necessidade de morrer, esclarecimento imediatamente censurado pela boa vontade prematura e imprudente do apóstolo Pedro. Isso deve levar-nos a reconhecer a surpresa e possível incompreensão que deveria caracterizar o momento daquele ensino. Nunca foi fácil ser ensinado por Jesus, mas agora é quase insuportável.

Por que razão Jesus falava de uma disciplina pessoal negativa, como a pessoa negar-se a si própria? E por que razão Jesus falava de um objeto tão desagradável como a cruz na hora de explicar o significado de ser-lhe fiel? Hoje já estamos habituados a ouvir falar em “autonegação” e “cruz” como palavreado religioso, mas os discípulos não. Para compreendermos como os discípulos ouviriam aquela mensagem, devemos tentar voltar a recuperar alguma da sua estranheza original.

A inclusão dentro do ensino de Jesus de elementos como a autonegação e a cruz acarretavam uma ideia de sofrimento que em pouco condizia com aquilo que se esperava do Messias judeu. Esperava-se que o libertador profetizado soltasse o povo do sofrimento, não que o trouxesse como requisito para aqueles que o aclamam. Que tipo de libertador é este, afinal? Ficarmos livres do sofrimento não é aquilo que esperamos que um salvador faça por nós? Então, que conversa é esta de trazer o sofrimento como requisito de reconhecer o salvador? Este é um dos aspectos realmente surpreendentes trazidos pelo ensino e vida de Jesus. Deus encarna em Jesus não para eliminar a dor do mundo, mas para sofrê-la no seu próprio corpo. Como é que, na coisa boa que é haver um salvador, podemos enquadrar uma mensagem de sofrimento?

A cruz era uma pena para criminosos. Ora, esta prática penal era aquela que o próprio Jesus iria experimentar daí a pouco tempo: o condenado à crucificação transportaria a trave da cruz até ao lugar da sua execução. O retrato oferecido é tão invulgar quanto aparentemente ilógico para povos habituados à prática de peregrinações. Subitamente, os peregrinos recebem um circuito religioso que é o castigo de um criminoso. Tomar a cruz e seguir Cristo? Jesus está aparentemente a misturar aulas de religião com referências aos aspectos mais violentos do sistema judicial. Jesus está a sugerir que o verdadeiro peregrino é aquele que parece um criminoso. Este é um discurso duríssimo.

A continuação do esclarecimento de Jesus parece ainda mais radical. Quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á e quem quiser perder a sua vida, por amor a Jesus e à sua mensagem, salvá-la-á. Se é verdade que Jesus alveja o calculismo, por outro lado, isso não significa que esteja a elogiar suicidas. As pessoas que quererão apenas salvar a sua pele sairão frustradas; e aquelas que perderem a sua vida por causa do Evangelho, apesar da morte, serão bem-sucedidas. O paradoxo ganha nitidez afirmando que as aparências podem iludir. O que para uns é ganhar pode revelar-se uma imensa derrota.

O que desempata o valor que os homens dão à sua vida não é o desejo de sobrevivência, seja ele bem ou mal conseguido, mas a relação de todos com a própria vida de Jesus. O que Cristo ensina é desarmante: a vida de cada pessoa não vale por si própria, mas pelo que afirma acerca da vida do Filho de Deus. Uma vez mais, a radicalidade de Jesus implica que ele se toma a si próprio como o padrão absoluto de distinção entre o que é bom e o que é mau. Jesus está a tomar-se a si mesmo como estando na posição de Deus. A maneira como vivemos esta vida em relação a Jesus tem consequências profundas.

Aos olhos humanos, um homem pode ganhar o mundo inteiro (o kosmos, no original grego, associado aos sistemas do mundo), seja através de poder, ambição concretizada, sucesso ou outros sinais tidos como vitórias. O que Jesus ensina é que, em simultâneo a essa aparente conquista, pode acontecer a perda da nossa alma. O nosso texto em português traduz aqui “alma”, mas o original grego é “psuché”, que já nos versículos anteriores foi usado e traduzido por “vida”. Cristo está a falar da existência espiritual, não-física. A ideia é alertar para a possibilidade de o maior triunfo humano significar a maior derrota espiritual. Assim, é possível o homem adquirir tudo o que lhe é exterior e perder o que lhe é intrínseco. É uma contradição que pode ter a duração da eternidade. O Inferno é isto.

Leia também  Como aconselhar alguém que está zangado com Deus por ter sido criado? | John Piper

Nova ironia prossegue. Que daria um homem em troca da sua alma? Por maiores que sejam os recursos que um homem possa alcançar, eles são insuficientes para lhe comprarem a alma. E recordamos a lição do fermento dos fariseus e herodianos. Se temos no sustento físico a certeza da nossa subsistência, apenas fazemos crescer artificialmente o provisório. É o espiritual que dá vida ao físico, e não o contrário. Acreditar primeiramente no material é um engano que distorce a nossa visão da realidade. É esse equívoco que pode contribuir para “uma geração adúltera e pecadora, que triste e naturalmente se envergonha de Cristo e das suas palavras” porque não o reconhece como verdadeiro fundamento do mundo. As palavras de Jesus são menos uma ameaça e mais uma constatação. A vergonha futura de Cristo corresponde a uma vergonha presente dos que se envergonham dele. “A glória do Pai e a companhia dos santos anjos” são as maiores e mais cósmicas testemunhas de uma perdição que os perdidos aceitam acerca de si próprios quando desprezam o Messias.

O versículo 1 do capítulo 9 possibilita pelo menos quatro interpretações em relação “aos que não passarão pela morte até que vejam ter chegado com poder o reino de Deus”. Uma é a que diz que o que está em causa é a transfiguração no monte, que está quase a acontecer, onde Jesus seria acompanhado por Pedro, Tiago e João. A segunda interpretação é a que diz que se tratava da ressurreição de Cristo, atestada por todos os discípulos exceto Judas. A terceira maneira de ler é relacionar esta afirmação com a destruição de Jerusalém no ano 70 pelo comandante romano Tito, contemporânea ainda do apóstolo João. A quarta hipótese é associar estas palavras à segunda vinda de Cristo, onde o sentido da visão física não seria literal, mas escatológico. Há várias maneiras de ler esta chegada do reino.

No fecho deste sermão, e tendo em conta que a intensidade continua a subir no Evangelho de Marcos, apliquemos esta temperatura crescente à nossa vida.

1. Seguir Cristo não é uma abstração. Implica uma atitude concreta, revelada neste texto bíblico, que exige autonegação e aceitação da cruz. Não se fala de ascetismo ou fuga da realidade, mas de um caminho que não pode ser trilhado por alguém que fuja de adversidades.

2. É improvável que o sofrimento do Mestre não inspire os seus discípulos. O papel do sofrimento de Cristo que culmina na sua morte é único. Nenhum cristão se salva por sofrer imitando o sofrimento de Jesus. Mas é difícil que autonegação e levar a cruz não impliquem sofrimento. Quem segue Jesus não deseja sofrer, mas, pelo menos, prepara-se para sofrer. O facto de Jesus, sendo homem e Deus, sofrer implica que o sofrimento não domina sobre Deus, mas que Deus tem como tratar dele. Modernamente, há muitas pessoas que não acreditam em Deus por causa do problema do sofrimento — essa é apenas uma maneira recauchutada de continuar a ter o sofrimento como algo maior do que Deus e que, em último grau, o dissolve. Mas, se tivermos um Deus que sofre, como Jesus, temos um sofrimento que não é maior do que Deus (e a ressurreição, apesar de ainda não chegarmos a ela neste ponto do Evangelho de Marcos, terá muito a dizer sobre isto). Não ter Jesus como Deus contribui para darmos divindade ao sofrimento.

3. Cristo define-se a si próprio como a medida de tudo o que existe. O sucesso da existência de alguém depende de como se relaciona com Jesus. Por isso, quem morre por ele, ganha, e quem ganha sem ele, perde. Jesus é o câmbio da eternidade. Os cristãos são chamados a questionar os conceitos de vitória e de sucesso deste mundo. Jesus está a ensinar que ele é a alavanca de todas as coisas. O milagre dos milagres é os homens conhecerem-se a si mesmos a partir de Jesus Cristo: no que isto significa de negativo, carecendo de serem resgatados por ele; e no que significa de positivo, sendo já aqui transformados na sua essência.

Que o Senhor nos ajude.

Trecho extraído da obra “Milagres no Coração“, de Tiago Cavaco, publicada por Vida Nova: São Paulo, 2019, pp. 207-213. Publicado no site Tuporém com permissão.

Tiago Cavaco é formado em Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa e pastor da Igreja da Lapa. Trabalhou dez anos em televisão, colabora com a revista Ler e mantém desde 2003 o blog Voz do Deserto. Casado com Ana Rute e pai de Maria, Marta, Joaquim e Caleb, é autor de "Ter Fé na Cidade, "Seis Sermões Contra a Preguiça", "Cuidado com o Alemão" e "Milagres no Coração" publicados por Vida Nova.
Nesses textos, há algo que nos espanta: Jesus faz milagres a pessoas que, depois, não o ouvem. O fato de Cristo fazer bem a tanta gente não significa que tenha acontecido a essas pessoas o bem maior de seguirem a Cristo. Simplificando: é possível tirar coisas boas de Jesus sem que Jesus se torne a verdadeira coisa boa para nós. Se, de um lado, Jesus parece condescender com quem não está tão interessado nele, de outro, parece rejeitar os que estão mais disponíveis para o seguir. Quer para uns, quer para outros, Cristo é sempre uma novidade. A Bíblia é o livro mais lido de sempre e ao mesmo tempo continua sendo o que mais carece de leitura, até por aqueles que julgam conhecê-lo.

Pregador crescido no punk rock, Tiago Cavaco fez acompanhar a este livro de sermões um conjunto de canções que querem ser tão ossudas quanto o Evangelho de Marcos. Milagres no Coração é também o nome de um disco lançado pelo autor e que pode ser ouvido em qualquer plataforma digital.

Publicado por Edições Vida Nova.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *