O pavor da morte: como a consciência faz de todos nós covardes | Timothy Keller

“…para que pela morte destruísse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo; e livrasse todos os que estavam sujeitos à escravidão durante toda a vida, por medo da morte.” (Hebreus 2.14-15)

A morte é a Grande Interrupção, afastando os entes queridos de nós ou nós deles.

A morte é o Grande Cisma, destruindo as partes materiais e imateriais do nosso ser e separando uma pessoa inteira, que nunca deveria ter sido desencarnada, nem por um momento.

A morte é o Gande Insulto, porque nos lembra, como Shakespeare disse, que somos comida de verme.

[Estamos] literalmente divididos em dois: [O homem] tem uma consciência de sua própria singularidade esplêndida, pois se destaca da natureza com uma majestade imponente e, ainda assim, retorna para alguns metros do chão para apodrecer e desaparecer para sempre de maneira cega e silenciosa.

A morte é hedionda, assustadora, cruel e incomum. Não é assim que a vida deveria ser, e nossa tristeza diante da morte reconhece isso.

A morte é o nosso Grande Inimigo, mais do que qualquer outra coisa. Ela reivindica todos e cada um de nós, perseguindo-nos incansavelmente por todos os nossos dias. As pessoas modernas escrevem e falam incessantemente sobre o amor, especialmente o amor romântico, que escapa a muitos. Mas ninguém pode evitar a morte. Já disseram que todas as guerras e pragas nunca aumentaram a taxa de mortalidade – essa taxa sempre foi uma morte para cada pessoa. No entanto, parecemos muito menos preparados para isso do que nossos ancestrais.

Medo de julgamento

Muitos salientaram que hoje nossa sociedade é tão moralista e crítica quanto sempre foi. Vivemos em uma “cultura de convocação”, na qual as pessoas são categorizadas de forma reducionista em bem ou mal e depois são publicamente envergonhadas até perderem empregos e comunidades. As pessoas são cobradas pelo que costumava ser chamado de pecados e são punidas e banidas de maneiras que se assemelham notavelmente a rituais religiosos de purificação cerimonial.

Como Wilfred McClay aponta em seu ensaio “The Strange Persistance of Guilt” (“A estranha persistência da culpa”), os seres humanos não podem abandonar seus “reflexos morais” – uma crença em absolutos morais, em pecado e julgamento, e na imposição de culpa e vergonha. No entanto, hoje abandonamos as velhas crenças subjacentes em Deus, céu e inferno e, portanto, perdemos os recursos mais antigos para o arrependimento, mostrando graça e concedendo perdão.

Tudo isso desencadeia uma crise para as pessoas modernas diante da morte. Como pastor, passei muitas horas na presença de moribundos. À medida que a morte se aproxima, as pessoas olham em retrospecto para suas vidas e sentem um tremendo arrependimento. O unbehagen (desconforto), ou profunda insatisfação consigo mesmo, vem à tona. Pode haver culpa por coisas ditas ou não realizadas por seus entes queridos, por desculpas não pedidas ou recebidas, por gentilezas recusadas ou por indelicadezas praticadas ​​e que agora estão além do perdão, por oportunidades desperdiçadas ou mesmo por uma vida desperdiçada.

Mas, além do arrependimento do passado, também há medo do futuro. T. S. Eliot escreve: “Não o que denominamos morte, mas o que, além da morte, não é morte/ Tememos, tememos.” Por trás e por baixo de todas as outras emoções está o medo do julgamento. Em 1Coríntios 15, na longa discussão de Paulo sobre a morte, ele afirma que o “aguilhão da morte” é o pecado (v. 56). Assim como ele havia ensinado em Romanos 1.20–22, todos sabemos, em nossos corações – por mais profundamente oculto que seja – que Deus é nosso Criador e aquele que merece nossa adoração e obediência. Mas “suprimimos” (v. 18) esse conhecimento para reivindicar soberania sobre nossas próprias vidas.

A morte, no entanto, torna nossa culpa e insatisfação muito mais conscientes. Nossa consciência não pode ser silenciada como era antes. Hamlet de Shakespeare pensa em suicídio, mas ele decide não fazê-lo. Ele teme alguma coisa após a morte, “o país não descoberto de cujo nascimento nenhum viajante retorna”, o que nos leva a temer o julgamento. Portanto, “suportamos os males que temos, em vez de voar para aqueles que desconhecemos” porque “a consciência faz de todos nós covardes”.

Portanto, apesar de todos os grandes esforços, a culpa persiste e nunca mais do que quando consideramos a morte. A cultura moderna nos dá pouco para lidar com isso, mas a fé cristã tem alguns recursos surpreendentes para nos dar.

Nosso campeão

Em vez de viver com medo da morte, devemos ver a morte como sais de cheiro espiritual que nos despertarão de nossa falsa crença de que viveremos para sempre. Quando você estiver em um funeral, especialmente em um funeral para um amigo ou um ente querido, ouça Deus falando com você, dizendo que tudo na vida é temporário, exceto o amor dele. Isso é realidade.

Tudo nesta vida será tirado de nós, exceto uma coisa: o amor de Deus, que irá conosco na morte e nos levará através dela para os braços de Deus. Essa é a única coisa que você não pode perder. Sem o amor de Deus para nos abraçar, sempre seremos radicalmente inseguros, e deveríamos ser.

Os verdadeiros sais de cheiro são muito desagradáveis, mas também são muito eficazes. No entanto, ao despertar de suas ilusões, fique em paz, pois eis o que Jesus Cristo nos oferece se o tivermos como nosso Salvador pela fé em sua provisão para nós.

No livro de Hebreus, lemos:

Porque era preciso que aquele para quem são todas as coisas e por meio de quem tudo existe, ao trazer muitos filhos à glória, aperfeiçoasse por meio do sofrimento o autor da salvação deles. […] Portanto, visto que os filhos compartilham de carne e sangue, ele também participou das mesmas coisas, para que pela morte destruísse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo; e livrasse todos os que estavam sujeitos à escravidão durante toda a vida, por medo da morte. (Hebreus 2:10, 14–15)

Para nos salvar, Jesus se tornou o “pioneiro” de nossa salvação através do sofrimento e da morte. A palavra grega aqui é archēgos. O estudioso da Bíblia William Lane diz que realmente deve ser traduzido como “nosso campeão”.

Leia também  Cristãos na Babilônia: construindo a paz na cidade dos homens | Luiz Adriano Borges

Um campeão era alguém que se engajou em combate representativo. Quando Davi lutou com Golias, ambos lutaram como campeões por seus respectivos exércitos. Eles lutaram como substitutos. Se o seu campeão venceu, todo o exército venceu a batalha, mesmo que nenhum deles tenha levantado um dedo. Foi isso que Jesus fez. Ele enfrentou nossos maiores inimigos: o pecado e a morte. Ao contrário de Davi, ele não apenas arriscou sua vida, ele deu sua vida, mas, ao fazê-lo, ele os derrotou. Ele tomou a penalidade que merecemos por nossos pecados – a punição da morte – em nosso lugar, como nosso substituto. Mas, uma vez que ele próprio era um homem de amor perfeito e sem pecado por seu pai e seu próximo, a morte não poderia segurá-lo (Atos 2.24). Ele ressuscitou dos mortos.

Por isso, no versículo 14, o escritor diz que destruiu o poder da morte porque morreu e ressuscitou, retirando nossa penalidade e garantindo a ressurreição futura de todos os que se unem a ele pela fé. Jesus Cristo, nosso grande capitão e campeão, matou a morte.

Todas as religiões falam sobre a morte e a vida após a morte, mas, em geral, proclamam que você deve levar uma vida boa para estar pronto para a eternidade. No entanto, à medida que a morte se aproxima, todos sabemos que não chegamos nem perto do nosso melhor; nós não vivemos como deveríamos. Então, ficamos, com razão, escravizados pelo medo da morte até o fim.

O cristianismo é diferente. Ele não o deixa enfrentar a morte sozinho, mantendo um relatório de sua vida e esperando que seja suficiente. Em vez disso, oferece um campeão que derrotou a morte, que perdoa e cobre você com seu amor. Você enfrenta a morte “nele” e em seu relatório de vida perfeito (Filipenses 3.9). Na medida em que acreditamos, sabemos e aceitamos isso, somos libertados do poder da morte.

Então, quando Hamlet falou da morte como “o país não descoberto de cujo nascimento nenhum viajante retorna”, ele estava errado. Alguém voltou da morte. Jesus Cristo destruiu o poder da morte e “uma fenda se abriu nas paredes impiedosas do mundo” para nós. Quando pela fé compreendemos isso, não precisamos mais ter medo das trevas.

São Paulo escreveu o famoso verso:

Onde está, ó morte, a tua vitória?

Onde está, ó morte, o teu aguilhão? (1Coríntios 15.55)

Paulo não está enfrentando a morte de maneira estoica. Ele está zombando dela. Como alguém em sã consciência pode olhar para o inimigo mais poderoso da humanidade e provocá-lo? Paulo imediatamente responde: “O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.” (1Coríntios 15.56–57). Paulo diz que o “aguilhão da morte” (como Hamlet diz) é nossa consciência, nosso senso de pecado e julgamento diante da lei moral. Mas Cristo o removeu – ou, mais precisamente, o tomou sobre si mesmo para todos os que creem.

Sombra da morte

Donald Gray Barnhouse era ministro da Décima Igreja Presbiteriana na Filadélfia quando sua esposa, com apenas 30 anos, morreu de câncer, deixando-o com quatro filhos com menos de 12 anos. Ao dirigir com seus filhos para o funeral, um grande caminhão passou por eles na pista esquerda, lançando sua sombra sobre eles. Barnhouse perguntou a todos no carro: “Você prefere ser atropelado pelo caminhão ou pela sombra do caminhão?” Seu garoto de 11 anos respondeu: “Pela sombra, é claro”. O pai deles concluiu: “Bem, foi o que aconteceu com sua mãe. Somente a sombra da morte passou sobre ela, porque a morte em si atropelou Jesus.”

O aguilhão da morte é o pecado, e o veneno entrou em Jesus.

Assim, qualquer homem ou mulher cristã tem o poder de triunfar sobre a morte dessa maneira. Certa vez, conversei com um amigo sobre sua esposa com doenças crônicas, que repetidamente desafiava as previsões médicas e havia “vencido a morte”. Agora ela estava muito doente novamente, com a possibilidade real de que dessa vez não suportaria. Conversando com o marido, concordamos que, não importa o que acontecesse, um crente sempre vence a morte, se eles morrem ou não, porque Jesus Cristo a derrotou, e agora tudo o que podemos fazer é nos tornar mais felizes e amados do que nunca.

Se Jesus morreu para que você para que você não tenha que pagar por nada no passado e ele ressuscitou para ser seu vivo Salvador, o que a morte pode fazer com você?

Nota do editor: Este é um trecho do livro recém-publicado de Tim Keller: On Death, pela editora Penguin.

Traduzido e revisado por Jonathan Silveira.

Texto original: The Fright of Death: How Conscience Makes Cowards of Us All. The Gospel Coalition.

Timothy Keller nasceu e cresceu na Pensilvânia, com formação acadêmica na Bucknell University, no Gordon-Conwell Theological Seminary e no Westminster Theological Seminary. Ele é pastor da Redeemer Presbyterian Church, em Manhattan. Já esteve na lista de best-sellers do New York Times e escreveu vários livros, entre eles A fé na era do ceticismo, Igreja centrada, A cruz do Rei, Encontros com Jesus, Ego transformado, Justiça generosa, entre outros, todos publicados por Vida Nova.
Vivemos em uma época que valoriza a razão empírica, a evolução do progresso humano e o direito de todos escolherem sua própria expressão de significado, propósito e alegria. Para muitos hoje, a ideia de Deus ou de um poder superior não faz mais nenhum sentido. Para muitos, a fé e a religião já não podem oferecer nada de valor. Como seres humanos, não podemos viver sem satisfação, sentido, liberdade, identidade, justiça e esperança.

Por isso, neste novo livro, Timothy Keller, pastor e autor best-seller do New York Times, convida o cético e o estudante de filosofia e de religião a considerar que o cristianismo ainda é a resposta para todas essas necessidades. Escrito para crentes e para quem ainda não vê razões para crer, Deus na era secular lança luz sobre o profundo valor e importância do cristianismo em nossas vidas.

Publicado por Vida Nova.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *