Onde está o conflito? | Alvin Plantinga

A compatibilidade entre ciência e religião talvez seja um dos maiores debates da humanidade. Especialmente nas últimas duas décadas, vários livros foram escritos sobre o assunto, mas quase sem nenhum consenso. Na obra Ciência, Religião e Naturalismo: Onde está o conflito?, Alvin Plantinga analisa temas como evolução, psicologia evolucionista, exegese das Escrituras, estudo científico da religião, além dos argumentos de proeminentes filósofos ateus como Dan Dennett, Richard Dawkins e Philip Kitcher, os quais defendem que a evolução e a crença teísta não podem coexistir. O resultado é esta contribuição singular e há muito aguardada do principal filósofo contemporâneo da religião.

Alvin PlantingaAlvin Plantinga é doutor em filosofia pela Universidade Yale. Ocupou por trinta anos a cátedra John A. O’Brien de Filosofia na University of Notre Dame, nos Estados Unidos, e foi professor da cátedra Jellema de Filosofia na Calvin College. Foi presidente da American Philosophical Association e da Society of Christian Philosophers. Aclamado como um dos mais importantes filósofos analíticos da atualidade, foi laureado em 2017 com o prêmio Templeton em reconhecimento por seu rigoroso trabalho em epistemologia, metafísica e filosofia da religião. É autor de vários livros, entre eles 'Ciência, religião e naturalismo: onde está o conflito?', 'Conhecimento de Deus' e 'Deus, a liberdade e o mal', publicados por Vida Nova.
A compatibilidade entre ciência e religião talvez seja um dos maiores debates da humanidade. Especialmente nas últimas duas décadas, vários livros foram escritos sobre o assunto, mas quase sem nenhum consenso. Diante desse cenário e a fim de responder à pergunta proposta no título deste livro, Alvin Plantinga analisou temas como evolução, psicologia evolucionista, exegese das Escrituras, estudo científico da religião, além dos argumentos de proeminentes filósofos ateus como Dan Dennett, Richard Dawkins e Philip Kitcher, os quais defendem que a evolução e a crença teísta não podem coexistir.

O resultado é esta contribuição singular e há muito aguardada do principal filósofo contemporâneo da religião.

Publicado por Vida Nova.
Leia também  O que Nietzsche quis dizer quando falou: "Deus está morto"? | Douglas Blount

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *