Questões para uma abordagem teológica em saúde mental | Gilson Santos

Nesta palestra, Gilson Santos apresenta questões relevantes que muitas vezes são desconsideradas no cuidado pastoral. Trabalhando à luz da poimênica de Jonathan Edwards, Gilson argumenta que:

1. O conceito bíblico de mente é muito diferente do conceito platônico/cartesiano de mente. Podemos conceituar a mente e o corpo, mas não podemos necessariamente dividi-los.

2. Sola Scriptura não implica um descarte da ciência e dos demais conhecimentos humanos, a não ser que estejam em conflito com a própria Escritura. Precisamos tomar o cuidado de não adotarmos uma abordagem anticientífica da pessoa humana. Se fizermos isso, iremos nos opor ao mandato cultural de Deus e contribuiremos para não aliviar o sofrimento e a dor da pessoa humana.

3. Sem a graça de Deus, o ser humano se degrada. Afirmar que um cristão não pode experimentar depressão é uma abordagem inadequada. Nas Escrituras, o cristão depende da graça de Deus. Tendo em vista que vivemos em um mundo caído, o que permite que um incrédulo permaneça com sua sanidade mental é a graça de Deus.

Palestra apresentada durante a 3ª Conferência Martin Bucer.

Gilson Santos é bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista Fluminense e Licenciado em Geografia e História pela Faculdade de Filosofia de Campos (FAFIC), em Campos dos Goytacazes-RJ, e atualmente cursa o Bacharelado em Psicologia na Universidade Paulista (UNIP). É pastor da Igreja Batista da Graça, em São José dos Campos-SP e professor no Seminário Martin Bucer.

Qual é a natureza da verdadeira religião? Quais são os sinais característicos dessa virtude e santidade aceitáveis aos olhos de Deus? Para Jonathan Edwards, essas são as perguntas mais importantes que devemos nos fazer. De forma brilhante, o autor mostra que as respostas podem ser encontradas em nosso próprio coração, cuja vontade e inclinação só serão compatíveis com a grandiosidade de Deus se forem intensas e cheias de vigor. Ou seja, se elas se transformarem em afeições.

Em Afeições religiosas, Jonathan Edwards, figura central do Primeiro Grande Despertamento, nos presenteia com uma descrição pormenorizada dos sinais verdadeiros e falsos do avivamento religioso.

Considerado um dos grandes clássicos da literatura evangélica e adornando uma teologia estranha à maioria dos cristãos pós-modernos, Afeições religiosas assenta a pedra angular do pensamento cristão de meados do século 18. Impossível de desprezar, a obra demanda uma resposta da nossa parte. Ninguém pode ler este livro sem ser transformado. O nível de discipulado que ele requer pode até mesmo sacudir os leitores modernos, e a obra é sem dúvida da mais extrema importância e necessidade.

Publicado por Vida Nova.
Leia também  Deus é injusto por me criar sem o meu consentimento? | William Lane Craig

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *